por Eliane Brum


Desde pequena, sexo, livros e comida estiveram intimamente ligados na minha vida. Graças a isso, para mim não há homem feio. O que não suporto é homem que cuida do corpinho, mas esquece que os neurônios também são filhos de deus. O cara pode se assemelhar ao piolho da Tasmânia, mas se disser uma frase inteligente eu fico toda alvoroçada. É claro que se disser algo inteligente querendo parecer inteligente ou se achando o último pinto depois do holocausto nuclear, viro as costas na hora e vou comprar uma fanta-uva.

O fato é que, para mim, não há nada mais afrodisíaco que uma frase inteligente, mais ainda se ela me fizer rir, o cheiro de livro velho e alguma coisa para mastigar. Por isso eu tenho um Ipad, mas sigo frequentando sebos. E sofro de bloqueios para fazer dieta. Resumindo. Minha equação erótica é:

homem inteligente + biblioteca + comida = sexo selvagem

E aí há um ponto intrigante: por que sexo selvagem? Passei anos buscando a fonte desta combinação que chegou a me causar alguns problemas ocasionais com a lei. Horas e horas de divã. Hipnose, florais e, num ato de desespero, cheguei a fazer uma regressão a outras vidas. Apenas para descobrir que a soma das vidas passadas, pelo menos as minhas, resultaram num profundo tédio ao longo das eras. Ainda bem que a gente não lembra, senão ia preferir dormir a nascer.

E então, bingo. Agora pela manhã tive um insight. Do tipo um clarão no cérebro com trilha do Gênesis. Aconteceu quando eu tinha 11 anos. Eu precisava pesquisar algum tema do fascinante currículo da quinta série e peguei uma carona com o meu pai para a biblioteca da faculdade numa noite em que ele daria aula. Era a maior biblioteca que eu já tinha visto e, o melhor, tinha salinhas. Me fechei numa salinha com uma pilha de livros jamais lembrarei sobre o quê. Sou muito sensível a atmosferas. Posso ficar horas parada, aparentemente não fazendo nada, mas na verdade estou vasculhando o ambiente.

A biblioteca ficava praticamente no meio de um bosque. E à noite a vida se impunha. Mariposas cometiam suicídio atirando-se contra a lâmpada fluorescente. Insetos caminhavam sobre a mesa com um número improvável de patas. Pernilongos produziam um remake cinematográfico de “A Comilança” no meu corpo. Então eu vi. O louva-a-deus. Ou melhor, a louva-a-deusa. Acompanhei passo a passo o sexo mais eletrizante de toda a minha vida com medo de respirar e quebrar o encanto.

Anos depois eu participaria de uma caravana para assistir ao Império dos Sentidos” [IMDb] no cinema da cidade pequena, supervisionada pela irmã casada de uma amiga. Ao perguntar minha opinião no final do filme, minhas colegas ficaram chocadas. Eu apenas esbocei um “puff”. Aos 14 anos, eu já tinha visto coisa muito mais impactante.

E tinha mesmo. Ali, na biblioteca, o louva-a-deus perdeu a cabeça. Literalmente, enquanto gozava (ou pelo menos eu espero que sim). Como diria o biólogo Alessandro Boffa no genial Você é um animal, Viskovitz? [caí em gargalhadas com esse livro… euzinha, não a Eliane], ao terminar, ainda mastigando, a superfêmea resmungou: “Crocante, rico em fibras”. Fiquei extasiada. Até hoje, quando vejo aquelas mulheres alfas desfilando por aí com seus sapatos de matar barata em canto, eu digo: puff. Poderosa mesmo é a louva-a-deusa.

E foi assim que tudo começou para mim. O meu ponto zero. Nos próximos anos, seria a vez de a minha família ficar extasiada com minha paixão pelos estudos, amplamente pavoneada para parentes e amigos reunidos na mesa de refeições. “Esta guria não sai da biblioteca.”

E eu só mastigando o franguinho de domingo. Por enquanto.

Anúncios

Posted by: CAROL


Minhas deliciosas férias acabaram e estou de volta para substituir minha querida amiga JUJU, que não pode escrever nada além de sua dissertação de mestrado até março. Ela não consegue ficar sem dizer nada na net, pelo que percebi ontem ao visitar o twitter...rsrsrs… mas acho que lá é somente uma forma de desabafar, de vem em quando, e bem rápido!

Só pra Juju: Aliás, que ataque de “fofoqueira de celebridades” foi aquele? …hahaha… Até tu, Brutus! … Brincadeirinha, sei que a cabeça está cheia de “filosofices, psicanalices, antropologices” e demais “ices” que eu possa xingar neste meu ataque linguístico aos assuntos que ocupam teu pensamento. Para desabafar, só falando de “bobagens” como o vestido verde da Angelina “que raiva dessa mulher” Jolie… 😉

Bom, mas agora “estou aqui” de novo e tentarei postar algumas coisas interessantes que encontrar ao longo do dia. Não que a gente ache que tem leitores e seguidores do blog. Não temos! É mais o costume de falar sozinha mesmo que invade a vida virtual…haha

Este meu primeiro post de janeiro é para a Juju, porque sei que ela vai gostar desta história… Livros são sua paixão, afinal!

Coragem no trabalho, amiga! Vai em frente, apesar de tudo (as adversidades externas são muitas, eu sei). Torço por você e, agora, mais de pertinho…rsrs… na mesma cidade calorenta e abafada!

Beijos, CAROL

PS:  Mal entrei “nesta estufa” de cidade e já morri de saudade do frio acima do trópico de câncer! 

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .


Uma coleção a partir do lixo

(fonte: Blog da CULTURA – autoria: Kelly de Souza)


Seu nome é José Alberto Gutiérrez. Todos os dias ele dirige um caminhão de lixo em Bogotá, e com seus ajudantes despeja grandes latas no caminhão. No meio das latas existem caixas e dentro das caixas José, de repente, encontra um exemplar de Anna Karenina, de Tolstói. Ao remexer melhor a caixa encontra outros livros, que retira do caminhão e os leva para sua casa. No dia seguinte, uma nova jornada e José encontra, em outro endereço, uma outra lata de lixo, uma outra caixa e outros livros. Ele já reconhece facilmente esse tipo de “entulho”, e novamente os leva para casa.  “Então comecei a perceber que os cidadãos de Bogotá costumam livrar-se dos livros que não querem e os jogam no lixo”, explica José.

Convidado especial da Feria Internacional del Libro de Guadalajara, México, José falou sobre os mais de 12 mil livros (aproximadamente cinco bibliotecas) que conseguiu juntar desde 2000.  Segundo o jornalClarin, que cobriu o evento, o catador de lixo, digo, de livros, parecia estar um pouco desconfortável na cadeira que já havia sido ocupada no evento pelo autor brasileiro Paulo Lins (Cidade de Deus), ou por Jean-Marie Gustave Le Clézio, autor de Diego e Frida (2010) e Nobel da Literatura em 2008, entre outros. José sentou-se com humildade, pediu uma simples Coca-Cola ao garçom, e ficou constrangido com os fotógrafos. Não está acostumado a nada disso, e ficou embaraçado com os aplausos na entrevista, onde explicou como surgiu a ideia de encher o primeiro piso de sua casa com livros encontrados pelos lixos da cidade.

“Minha mãe lia para mim, nos acostumou a ler. Não eram muitos os livros que tínhamos, eram como folhetos de estudo onde havia histórias, fabulas… e todos esses continhos me enriqueceram. Quando eu já era adolescente havia em Bogotá muitos livreiros de rua, então comecei a comprar livros, e aos 13 anos, mais ou menos, comprei a “Odisseia”, de Homero. Fiquei apaixonado pela mitologia”, ressaltou José. A vida foi passando, a coleção foi aumentando e os clientes da sua esposa (costureira) viam aquela imensa biblioteca. Alguns pediam livros de escola emprestados para seus filhos.

José percebeu que os livros que eram jogados fora, que estavam no lixo, não estavam sujos ou estragados. Pelo contrário. As pessoas quando têm suas salas e quartos carregados de “recuerdos”, ou livros, se desfazem deles com respeito e os colocam em caixas separadas, não juntando ao lixo perecível. Assim, em 2000, ele e sua mulher decidiram montar uma biblioteca. “Iniciamos numa sala grande, conseguimos estantes e mesas, os vizinhos vinham visitar e levavam livros emprestados. Montamos um catálogo das pessoas, e estas começaram a fazer também doações, e mais livros foram chegando… e começaram a surgir os Círculos de Leitura, as oficinas… e nos demos conta que o bairro havia ficado pequeno e fomos explorar outras regiões de Bogotá, e outras 3 bibliotecas foram instaladas”. Uma delas está localizada na zona rural, na casa de uma família campestre e a biblioteca é manejada por uma garota de 12 anos.

José não recebe qualquer ajuda oficial, embora as autoridades conheçam seu projeto. Não existem subsídios, apoios financeiros e ele segue sozinho mantendo seu caminhão, indo todas as noites “pescar tesouros” nos lixos da cidade. Milhares de livros devem ser jogados fora todos os dias em São Paulo, Rio, Belo Horizonte e em quase todas as grandes cidades do país, assim como em outras metrópoles do mundo. Centenas de bibliotecas poderiam talvez ser instaladas só com esse material, esse lixo, esse lixo sagrado que é o livro descartado. Numa das salas de José, logo na entrada, escrito na parede, está um dos pensamentos mais dignos de Jorge Luis Borges, onde ele imagina que o Paraíso é como uma grande biblioteca. É lá que mora José Alberto Gutiérrez, o catador de livros.